Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. + sobre cookies

Maristas

Maristas em Portugal

APRESENTAÇÃO

Os Irmãos Maristas fundaram em Portugal a sua primeira Escola em Outubro de 1947, na Rua da Estrela, em Lisboa, denominada primeiramente Colégio Champagnat, e mais tarde Externato Champagnat. 
Começou apenas com cerca de 30 alunos e três anos mais tarde contava já duas centenas. 
Em 1950 abriram um Internato na Quinta de Vila Formosa, junto ao Aeroporto, a que chamaram Colégio Champagnat, com uma dúzia de alunos internos e 10 externos. 
No ano seguinte já eram 50, e ao fim de 3 anos atingiram o máximo que as instalações permitiam, 83 alunos, tendo sido obrigados a recusar 125 por falta de espaço. 
Hoje essa Escola mantém o nome, não sendo administrada pela Congregação dos Irmãos Maristas. Por volta de 1960, as instalações tornam-se exíguas, o que levou à procura de um espaço mais adequado que satisfizesse as exigências pedagógicas e vivenciais dos estudantes.  
O projecto de uma Escola com melhores condições viria a concretizar-se num lugar privilegiado da linha do Estoril, em Carcavelos.  A opção pelo local,  por circunstâncias quase fortuitas,  não foi alheia certamente a procura que então havia por internatos em zonas que atravessavam um aumento demográfico apreciável. A concretização do projecto foi graças a entidades privadas e públicas que reconheceram a utilidade de uma Escola Marista nesta zona.  O lugar onde a Escola se implementou apresentava características rurais, quintas que seriam progressivamente invadidas por uma crescente urbanização. Esta urbanização resultava de três factores fundamentais: o aumento demográfico, que se verificava  a nível nacional; a deslocação de um número cada vez maior de pessoas da cidade para a periferia em busca, não só de um ambiente qualitativamente mais satisfatório, como pelo uso generalizado do automóvel; e ainda pelo significativo êxodo rural provocado pela crescente industrialização do litoral a norte do Sado e particularmente da zona de Lisboa. 
A 8 de Outubro de 1965 concretiza-se o projecto. O Colégio Marista de Carcavelos torna-se uma realidade. 
Nos três primeiros anos, o Ministério da Educação (M.E.N.) autoriza o funcionamento do Colégio a título provisório. Em 23 de Outubro de 1969,  pelo despacho ministerial nº 1901, foi concedido o Alvará à Congregação Marista para o funcionamento de um estabelecimento de ensino particular, denominado Colégio Marista de Carcavelos, com lotação máxima de 768 alunos, dos quais 240 poderiam ser internos. Actualmente o colégio funciona em regime de paralelismo pedagógico.
Durante os primeiros anos acolheu somente alunos do sexo masculino. Foi no ano lectivo de 1971/72 que o colégio abriu as suas portas ao sexo feminino. 
A escassez de escolas públicas na zona, na explosão de acesso à educação que se acentuou com o 25 de Abril, conduziu à celebração de um acordo de cedência de cerca de dois terços das instalações do colégio para a nascente Escola Secundária de Carcavelos. Esta situação durou de 1978 a 1986. A recuperação total das instalações criou condições físicas para um crescimento acentuado dos alunos. Rapidamente ultrapassou a barreira dos mil alunos até atingir actualmente mais de mil e seiscentos.